Voltar ao topo

Ginecologia Geral

Os exames preventivos são muito importantes para o diagnóstico precoce de doenças, evitando complicações e garantindo maiores chances de sucesso no tratamento. No entanto, por mais que a avaliação anual seja fortemente recomendada pelos especialistas, muitas mulheres se esquecem de realizar o check-up regularmente e acabam procurando o médico somente quando sentem algum incômodo.

Existem pelo menos cinco tipos de exames básicos que toda mulher pode realizar periodicamente para evitar complicações sérias na saúde. Veja quais são eles e programe-se:

Papanicolau
A Citologia Oncótica Cervical (Papanicolau) rastreia alterações nas células do colo do útero, detectando câncer de colo uterino, neoplasias intraepiteliais e até algumas doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) como tricomoníase e gonorreia. A sua realização é recomendada para todas as mulheres a partir de 20 anos com vida sexual ativa.

Exames de sangue e dosagens hormonais
As amostragens indicam se os componentes e nutrientes do sangue estão normais. Os exames TSH, T3 e T4 livre identificam alterações nos hormônios da tireoide. Outros, como testes de glicemia, colesterol total e frações, triglicerídeos, creatina, TGO e TGP e hemograma completo devem ser realizados de acordo com o caso de cada paciente.

Mamografia e ultrassom de mama
Todas as mulheres entre 40 e 60 anos devem realizar anualmente a mamografia para a detecção precoce do câncer de mama. Para mulheres mais jovens, entre 16 e 39 anos, quando necessário a avaliação das mamas, está indicado o ultrassom.

O exame clínico, feito pelo médico no consultório, identifica apenas nódulos e tumores que já atingiram pelo menos um centímetro e, portanto, não deve substituir os testes complementares. O autoexame da mama não deve substituir a mamografia.

Ultrassonografia pélvica transvaginal
Os especialistas recomendam que o ultrassom transvaginal seja realizado sempre que houver alguma alteração no exame físico, nas funções menstruais ou hormonais ou em pacientes com dificuldade para engravidar. "Além de detectar problemas no ovário, o exame avalia o endométrio e a parede uterina, podendo identificar possíveis alterações no órgão".

Outros exames:
Se a mulher apresentar algum fator de risco cardiovascular, como obesidade, sedentarismo, tabagismo, hipercolesterolemia ou histórico familiar, deve acompanhar também a saúde do coração. Exames complementares, como o eletrocardiograma de esforço, podem diagnosticar arritmias cardíacas e obstruções nas artérias.

Já a densitometria óssea, que detecta a presença de osteoporose, também deve fazer parte da lista periódica nas mulheres na menopausa, fumantes ou com doenças da tireóide.